Últimas

Agora empresário, Renato Abreu comanda Pizzaria mas não tira o futebol da sua rotina

Meia explicou de onde surgiu a ideia e falou sobre outros planos para o futuro

Aos 38 anos, Renato Abreu ainda não pode ser chamado de jogador aposentado, uma vez que nem mesmo o próprio sabe dizer se realmente vai pendurar as chuteiras. Afastado do futebol desde 2013, quando deixou o Santos, há cinco meses o meia está a frente de um novo projeto. 

 

Ciente da importância de pensar além do futebol, principalmente para um atleta que está chegando ao fim de carreira, Renato virou empresário e decidiu abrir a Elleven Pizza e Bar(o nome faz alusão ao número da camisa com a qual fez sucesso nos gramados), na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. 

 


(Foto: DIvulgação)

 

“A vida de jogador não é para sempre. Ela tem uma durabilidade de 15, 20 anos no máximo e você sabe que depois desse tempo você ainda está novo. Eu sempre soube que quando fosse a hora de parar eu tinha que fazer alguma coisa, porque não sou um Ronaldinho, um Neymar. Pensei em trabalhar com algo relacionado ao futebol mas tinha que ter um plano B. E o brasileiro deixa de comprar uma roupa, uma cadeira em casa mas não deixa de comer por isso pensei logo na gastronomia.”

 

Nascido e criado em São Paulo, Renato Abreu é apaixonado por pizza, também por isso resolveu unir suas duas paixões, as massas e o futebol, já que a Elleven é totalmente decorada com itens relacionados a bola redonda. 

 

“Eu sou exigente com pizza, sempre em São Paulo o meu primeiro plano é a pizza. Quis fazer algo no meu estilo, estilo temático. Meu nome está relacionado ao esporte, não tem como fugir disso. Então a gente aqui fez algo bem aconchegante para os amantes de pizza e futebol. Aqui tem a parte das camisas, as ações relacionadas ao futebol, passamos todos os jogos não só do futebol nacional como internacional também.”

 


(Foto: Divulgação)

 

Além de comandar administrativamente o local, o jogador também deu seus pitacos no cardápio e decorou o espaço do seu gosto, com muitas camisas de futebol, é claro. Uma delas é a camisa que vestiu na final contra o Botafogo na conquista do Campeonato Carioca de 2007. 

 

Mas não pensem que tem apenas artigos do Flamengo no espaço. Uma das camisas que Renato mais sente orgulho é uma que Romário usou no dia em que marcou 998 gols na carreira vestindo as cores do Vasco.

 

Apesar de estar curtindo esse momento na Elleven, Renato Abreu não pensa em abandonar de vez o futebol, mesmo que não entre mais em campo, ele deseja seguir atuando nessa área, sem escolher apenas uma função ele apenas tem a certeza de que não quer ser treinador.

 


(Foto: Getty Images)

 

“Técnico é complicado, posição as vezes ingrata, porque a cobrança é sempre em cima do treinador, e também é instável, hoje você está aqui, amanhã está ali e não tem nada a longo prazo. Minhas filhas estão adaptadas ao Rio e eu não gostaria de trocar o tempo todo de cidade. Meu foco maior é trabalhar com gestão, gerenciamento de base ou profissional, talvez auxiliar de clube. Gostaria de trabalhar com categoria de base, auxiliar na transição do atleta para o profissional, porque essa fase é complicada e precisa ter alguém com experiência de campo para ajudar a eles a terem sucesso dentro do clube a longo prazo”.

 

Renato Abreu conhece perfeitamente a importância de um trabalho específico para os atletas que estão em início de carreira. Após se destacar com a camisa do Guarani, ele se transferiu para o Corinthians com apenas 20 anos e apesar de não ter sido protagonista com a camisa Alvinegra, o jogador ganhou bastante bagagem para brilhar, um tempo depois, pelo Flamengo.

 

“No início eu não queria ir para o Corinthians, na verdade eu não achava que era o momento, eu estava focado no Guarani e não tinha ideia de sair. Mas acabei indo para lá, o Vanderlei Luxemburgo pediu a minha contratação, então para mim foi maravilhoso porque ele pedir a contratação de um jogador de 20 anos é espetacular para o atleta”.

 


(Foto: Marcello Zambrana/Light Press/Cruzeiro)

 

“Lá tinha jogadores de Seleção e eu era um menino, estava chegando por um projeto, para ser coadjuvante e para aprender. Na minha posição tinha jogadores como Ricardinho, Vampeta, Rogério. Os quatro anos que estive lá eu aprendi muito, mesmo não tendo o papel principal eu tive grande participação, agregava quando era preciso, era um bom reserva. Talvez não tenha brilhado lá porque não era a hora, mas o Corinthians foi um vestibular daquilo o que eu poderia ter no Flamengo.”

 

No time Rubro-Negro, Renato alcançou a idolatria, conquistou títulos importantes como o Campeonato Carioca e a Copa do Brasil de 2006 em cima do rival Vasco. Ele conquistou o torcedor com a sua canhota potente, seus gols de falta e a entrega dentro de campo. Especialista quando o assunto é o Flamengo, o ex-meia do clube falou sobre a possibilidade do título brasileiro este ano.

 


(Foto: Getty Images)

 

“No início eu falava que o Flamengo estava montando um time forte, que ia brigar e muita gente não acreditava, agora está ai com condições de ser campeão, com um elenco forte e um trabalho bem consistente. Tem o Palmeiras também, mas vamos ver. A briga é boa.”

 

Toda essa ligação com o time da Gávea não vem de berço, ao contrário do que muita gente pensa, Renato Abreu nasceu torcedor do Santos, e pôde realizar um sonho ao vestir a camisa do Peixe antes de se afastar do futebol.

 


(Foto: Getty Images)

 

“Jogar pelo Santos foi diferente, porque a minha família toda era santista, eu fui sempre torcedor do Santos. As pessoas perguntavam ué mas você é Flamenguista, mas eu nunca fui torcedor do Flamengo antes, porque eu sou de São Paulo e naquela época não tinha tv a cabo, internet para poder passar as coisas, sempre fui santista apaixonado. Sempre fui ao estádio junto com o meu pai, e sempre tive esse sonho de infância. Era o sonho do meu pai também. Depois de tanto tempo não esperava mais jogar lá, pra mim foi maravilhoso. Vestir aquela camisa, está ali dentro vendo o torcedor torcendo por mim, pra mim foi marcante, infelizmente foi por pouco tempo. 

 

Além de Guarani, Corinthians e Flamengo, Renato Abreu também vestiu as cores do Joinville, União Barbarense, Al-Nasr e Al-Shabab. Aos 33 anos foi convocado pelo técnico Mano Menezes, para vestir pela primeira vez a camisa da Seleção Brasileira. Ele disputou o Super Clássico das Américas vencido pela Canarinho em 2011.


Fonte: Goal.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook