Últimas

Ao menos dez deputados deixarão a Câmara para assumir prefeituras

Dez parlamentares deixarão a Câmara dos Deputados a partir de primeiro de janeiro. Os deputados foram eleitos no primeiro turno das eleições municipais para as vagas de prefeitos e vice-prefeitos em sete estados. O número de renunciantes pode aumentar após segundo turno. Quatorze municípios, sendo duas capitais, ainda podem ter deputados eleitos para chefiar os municípios. O número é inferior ao resultado das eleições de 2012. Àquela época, no primeiro turno, 15 parlamentares foram eleitos, enquanto 18 disputaram o segundo turno.

Apenas dois senadores concorreram às eleições municipais. Marta Suplicy (PMDB-SP)disputou a  Prefeitura de São Paulo e perdeu no primeiro turno para João Doria (PSDB). Marcelo Crivella (PRB-RJ) está no segundo turno contra Marcelo Freixo (PSOL-RJ). O analista político Antônio Augusto de Queiroz, do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar, explica que existem três razões para a redução. “Há desgaste de imagem, rejeição à política devido aos últimos acontecimentos e fim do financiamento empresarial de campanha”, enumerou.

“Há um desejo em todos os políticos de serem prefeitos em suas cidades”, justificou Dr. João (PR-RJ). O parlamentar foi eleito prefeito com 50,9% em São João de Meriti (RJ). Dr. João foi vereador do município entre 2008 e 2012. Tentou a prefeitura em 2012, mas não foi eleito. “Naquela época, eu estava sem experiência política para assumir a Prefeitura”, acredita. Quem assumirá a vaga é Marcelo Delaroli (DEM- RJ).

O professor de direito eleitoral do IBMEC, Carlos Enrique Caputo, explica que, neste caso, o eleitor não vota no deputado, e sim na legenda. “Claro que a população precisa chancelar a candidatura dos parlamentares”. Segundo o professor, a mudança de cargos entre os políticos não é um problema. “Espera-se que o resultado das urnas seja mantido, mas não há proibição em deixar um cargo para concorrer a outro”.

Não foram apenas as vitórias para os cargos de prefeitos que farão os parlamentares renunciarem ao mandato na Câmara. Aos 36 anos, Bruno Covas (PSDB-SP), neto do ex-governador de São Paulo, foi convidado por João Doria para integrar a chapa do tucano como vice-prefeito. Estou animado! Há muito o que ser feito para diminuir a desigualdade na cidade”, afirmou.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook