Últimas

Cristãs podem ser presas por se recusar a imprimir convites de casamento gay

5/10/2016 – 13:00

Em diferentes casos, cristãos foram julgados e condenados por “discriminação”



Cristãs podem ser presas por se recusar a imprimir convites de casamento gay Cristãs podem ser presas por não imprimir convite gay

Duas empresárias cristãs norte-americanas, donas de uma gráfica, negaram-se a imprimir os convites de casamento de um casal de homossexuais. Revoltados, os clientes abriram um processo. Elas agora terão de pagar multa, além de poderem ser presas, acusadas de “discriminação”.

O caso envolvendo Joanna e Breanna, sócias da empresa Brush & Nib Studio, em Phoenix, Arizona, é mais um na longa lista de casos que chegam aos tribunais como resultado das novas leis pró-LGBT.

Elas trabalham como designers, produzindo convites para diversos eventos, incluindo casamentos. Contudo, por questões de consciência, recusaram-se a atender pessoas do mesmo sexo. Ao invés de procurar outra empresa, os homens levaram o caso para um advogado.

Agora, Joanna Dukka e Breanna Koski terão de pagar multa de 2.500 dólares e poderão passar até seis meses na cadeia por se recusar a prestar um serviço. A opção dada pelo tribunal em primeira instância é elas fazerem os convites para o casal gay e, caso continuem se negando, verem a multa ser aplicada a cada dia que demorarem. Isso pode significar a falência da empresa.

Elas se conheceram na igreja e afirmam que não pretendem mudar suas concepções bíblicas sobre o casamento só porque o governo local exige.

O caso das empresárias recebeu o apoio da Aliança em Defesa da Liberdade (ADF), um grupo que luta pela liberdade religiosa. O advogado Jonathan Scruggs, que representa o ADF afirmou: “Esperamos que na audiência da próxima semana na nossa proposta de liminar seja acatada pelo Supremo Tribunal do Arizona, que garanta a liberdade de expressão e os direitos de liberdade religiosa das nossas clientes”.

Casos jurídicos envolvendo cristãos

Nos últimos anos, diversos estados norte-americanos aprovaram leis que garantem “igualdade” e equivalem a chamada “homofobia” a crimes como racismo. Um dos casos mais famosos ocorreu em 2013, quando os donos de uma confeitaria se recusaram a fazer um bolo de casamento para um casal de pessoas do mesmo sexo.

Eles alegaram que suas convicções cristãs os impedia de prestar o serviço. Acabaram processados, precisaram pagar uma multa gigantesca e acabaram falindo.

Ano passado, os donos de um salão de festas se negaram a alugar o local para a celebração de um casamento gay. Por serem cristãos, também foram processados por “discriminação” e acabaram fechando o estabelecimento por causa das pesadas multas.

Ainda tramita na Corte Suprema dos EUA o caso de Jack Phillips, dono de uma padaria que não quis fazer um bolo de casamento para dois homens, alegando que ele transmitiria uma mensagem de apoio ao relacionamento e isso está em conflito com suas crenças religiosas. Com informações de Charisma


Fonte: Gospelprime.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook