Últimas

Desenhos de menina de cinco anos ajudam a descobrir abuso sexual cometido por pastor

A delegada disse que o suspeito admitiu ter cometido os abusos para os pais da crian
A delegada disse que o suspeito admitiu ter cometido os abusos para os pais da criana, mas negou os fatos em depoimento na delegacia. Foto: Internet/Reproduo

Desenhos feitos por uma menina de cinco anos levaram os pais dela a suspeitar que a garota estava sendo abusada sexualmente, em Montes Claros, na Região Norte de Minas Gerais. As figuras, encontradas nos pertences da criança, também ajudaram os pais a identificar o suspeito, João da Silva, de 54 anos, que foi preso pela Policia Civil e apresentado à imprensa nesta sexta-feira. Ele é pastor secundário de uma igreja evangélica da cidade, onde a criança teria sido abusada, durante aulas de inglês, revelam as investigações.

“Foram encontrados entre cinco e seis desenhos nos pertences da criança. Um dos desenhos feitos pela criança que chamaram atenção, mostra figura de um homem nu com o pênis ereto”, afirmou a delegada Karine Maia, da Delegacia de Repreensão aos Crimes Contra a Mulher de Montes Claros, responsável pelo caso. Também foram encontrados desenhos que representam uma pessoa rindo e outra chorando.

A delegada disse que o suspeito admitiu ter cometido os abusos para os pais da criança, mas negou os fatos em depoimento na delegacia. Por outro lado, ela salienta que, , apesar da negativa do suspeito no depoimento, a Policia Civil considera que são fortes as evidências de que ele cometeu os abusos, baseado nos desenhos, na mudança de comportamento e nas próprias revelações da garota.

Ela disse que ainda não foi apurado durante quanto tempo a criança foi abusada. Mas, lembrou que a menina frequentou as aulas de inglês com pastor secundário na igreja entre julho de 2015 e janeiro de 2016. A própria criança manifestou a vontade de não mais frequentar as aulas.

Conforme Karine Maia, a partir dos relatos da criança, foi constatado que o pastor tirava roupa dela e tocava em suas partes íntimas . “Mesmo que não tenha ocorrido penetração, a lei considera o abuso como estupro de vulnerável nesses casos”, explicou a policial. O suspeito teve prisão temporária decretada por 30 dias, renovável por igual período.

A delegada disse que, além dos desenhos, a menina apresentou mudanças de comportamento, ficando arredia diante da presença do pai ou outra figura masculina. Após ouvir relatos da criança sobre o que ocorria durante as aulas de inglês na igreja evangélica, os pais da menina a levaram a uma psicóloga, que orientou que o caso fosse denunciado à polícia. “É importante que os pais acompanhem o comportamento dos filhos e também encaminhem denúncias à polícia quando identificaram algum tipo de abuso sexual”, afirmou a delegada Karine Maia.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook