Últimas

Operador do Sistema diz que apagão foi defeito em subestação de SP

O apagão que atingiu parcialmente as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil e o Paraguai, na noite de domingo, foi causado por defeito em um equipamento na Estação de Ibiúna (SP). A falta de energia foi decorrente da indevida ação de proteção do sistema, que bloqueou a linha que traz energia da usina de Itaipu, segundo nota distribuída pelo Operador Nacional do Sistema (ONS), nesta segunda-feira.

“Às 19h51 do último domingo, 16 de outubro, ocorreu uma perturbação no sistema provocada, nas avaliações preliminares, por uma atuação indevida de uma proteção do compensador síncrono na subestação de Ibiúna (SP), de propriedade de Furnas. Com isso, houve o bloqueio dos dois bipolos de corrente contínua que trazem energia da Usina Hidrelétrica de Itaipu para a Região Sudeste”, explicou o ONS.

Segundo a Itaipu Binacional, a falha não ocorreu por responsabilidade sua, e o caso está sendo investigada. O diretor-geral do ONS, Luiz Eduardo Barata, avaliou que a recuperação foi “muito rápida” e disse que o ONS, Furnas e os agentes envolvidos vão fazer uma avaliação técnica para investigar o ocorrido.  Um relatório conclusivo sobre a perturbação deve estar pronto em duas semanas.

De acordo com o operador, naquele momento, o setor de 50 hertz da usina de Itaipu estava gerando 6.800 MW, dos quais 1.600 MW estavam indo para o Paraguai e 5.200 MW para o Brasil. “Devido à queda da frequência do sistema para 58,4 hertz, houve correta atuação do ERAC – Esquema Regional de Alívio de Carga – e, com isso, foi interrompida uma carga no país de 3.200 MW. A perturbação afetou os estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. O Paraguai também foi afetado. A carga do Sistema Interligado Nacional na ocasião era de 64.500 MW e a interrupção afetou menos de 5% da carga total.”

No Brasil, a energia começou a ser reestabelecida às 20h04 e, às 20h24, segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), as regiões afetadas já estavam novamente com luz.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook