Últimas

PT não pode ser responsabilizado por fracasso na repatriação, diz Afonso Florence

O líder do PT na Câmara, Afonso Florence (BA), tentou tirar da bancada a responsabilidade pela Casa não ter conseguido votar hoje o projeto que altera o programa de repatriação. “Se o governo quer bancar, ele assuma. E a bancada (governista) vem e vote, e não exigir que o PT venha para dar quórum”, declarou.

Hoje, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), culpou o PT por não ter levado o projeto à votação. Florence disse que o PT não aceitou “o inaceitável” e que o governo queria que a bancada apoiasse um projeto de interesse do Palácio do Planalto. O petista alegou que a proposta anistiava crimes e em troca oferecia incerteza de distribuição de recursos para os Estados. “Querem anistiar sonegadores fiscais da ordem de bilhões e eles querem passar isso no rolo compressor como fizeram na PEC 241. Dessa forma não funciona. Às vezes, parece chato, mas isso é golpe querer passar anistia fiscal de sonegadores de bilhões dessa forma”, respondeu.

Florence admitiu que a bancada pode ceder se for apresentada uma proposta de acordo para votar a repatriação na próxima semana, desde que inclua a repartição entre os governadores da arrecadação que superar R$ 15 bilhões (contra os R$ 25 bilhões propostos pelo governo) e que não haja anistia de crimes. “Uma coisa é sonegação, outra são os crimes inerentes”, afirmou. O petista concorda com a tese do “filme” (fluxo de recursos) e não da “foto” (o saldo que o contribuinte tiver em 31/12/2014).

O deputado negou que tenha sido procurado pelo governador Wellington Dias (PT-PI) ou por outros governadores para fechar acordo. Ele também criticou a postura do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), por se comportar como “líder do governo” na Câmara.

PEC do Teto

Florence prevê mobilização da opinião pública para evitar a aprovação em segundo turno da PEC do Teto e avisou que os oposicionistas vão trabalhar para impedir a conclusão da apreciação na Câmara, prevista para os dias 24 e 25. Para o petista, o governo tenta impor sacrifícios à população. “Vamos judicializar e continuar obstruindo e mobilizando”, informou.

O líder alegou que a medida engessa os próximos cinco governos e prevê a redução da oferta de serviços públicos. “A PEC é muito ruim para o País”, apontou. O petista acredita que, com a medida em 20 anos não haverá mais Sistema Único de Saúde (SUS). “Se nós nos queixamos do SUS, com essa emenda, por 20 anos não haverá SUS. Não é à toa que o governo propõe planos de saúde para a população de baixa renda”, criticou. “A saúde pública pode acabar no Brasil”, completou. Ele acredita que com a PEC, quem acha que a saúde está ruim, o cenário indica que “pode piorar bastante”.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook